Com o olhar ao Coaching Acadêmico: Como construir aulas que façam sentido?

Publicado em 13 de agosto de 2014

Vamos iniciar a resposta à pergunta título? Trago trechos de um texto que recomendo a leitura completa: “Imagens do conhecimento e ação docente no ensino superior” - publicado no “Caderno de Pedagogia Universitária - USP. n. 5, jun. 2008”. Ele foi escrito pelo professor Nilson José Machado1.

Ele traz a caracterização de quatro ações docentes que são apresentadas por meio dos pares: Tecer significações e mediar relações de significação; mapear relevâncias e construir narrativas fabulosas. Acredito que elas são aplicáveis em toda a formação escolar.

Sobre tecer significações:

[...] a ação de ampliar, estender, refinar, atualizar, reconfigurar - entre outros verbos pertinentes que poderíamos recordar - a rede de significados que os alunos já trazem, valorizando as relações que são percebidas, que estão enraizadas no contexto cultural que vivenciam.

Sobre mediar relações de significado:

[...] não pode haver qualquer receio, por parte do professor, em sugerir ou apresentar vivamente, com todo o entusiasmo novas relações de significado. Não se pode temer o risco de parecer uma invasão ou algum tipo de autoritarismo, é necessário evitar que efetivamente existam resquícios de tais intenções, e para tanto, as palavras-chave são mediação e negociação. Na construção dos significados, portanto, é perfeitamente natural que algumas das relações constitutivas dos nós/feixes sejam apresentadas aos alunos pelo professor. É fundamental, no entanto, que o professor, como um mediador, negocie com os alunos, convencendo-os da relevância das mesmas. Não se pode pretender impor a percepção: É preciso negociar a abertura dos sentidos por parte dos alunos. Na escola, a preocupação dominante tem sido a de ensinar a ler, escrever e contar: Na verdade, é preciso ensinar a observar, a ver, a experimentar, a projetar, como há tanto tempo já registrou Leonardo Da Vinci. O processo de sensibilização para o que se considera relevante, embora ainda não vivenciado ou mesmo percebido, a negociação da abertura, o exercício de tolerância em busca do convencimento, a mediação na construção de um consenso constituem, enfim, uma das competências mais importantes a serem desenvolvidas pelos professores em sua formação.

Sobre mapear relevâncias:

[...] em primeiro lugar, o mapa representa o território, mas não pode ser confundido ou identificado com ele. Não pode ser uma cópia perfeita, com todos os elementos do território, assim como não pode dispensar a presença de qualquer de seus elementos. Entre dois extremos - nada representar ou tudo representar - situa-se a responsabilidade e a competência de quem mapeia. É necessário distinguir o que precisa ser representado daquilo que não se justifica registrar. O exercício dessa competência pode ser instrumentado por algumas medidas concretas. Considera-se, por exemplo, a ideia de escala. Todo mapa é construído segundo alguma escala, que estabelece a relação entre as distâncias representadas no papel e as correspondentes no território. A escolha da escala é decisiva para o discernimento do que vai aparecer ou não na representação: Uma vez convencionada, define-se o limiar do que é ou não perceptível e certos elementos simplesmente deixam de existir. A escala determina, pois, um “esquecimento coerente”.

Sobre construir narrativas fabulosas:

[...] o professor eficiente é sempre um bom contador de histórias. Não são quaisquer histórias, mas sim, aquelas que trazem a semente de algum recado e de algum ensinamento. Em outras palavras, as histórias que o professor conta são como fábulas: Têm uma moral. Trata-se, naturalmente, de uma moral flexível, que pode configurar-se de múltiplas formas, em sintonia com as circunstâncias dos alunos, mas trata-se, sobretudo, de uma moral essencialmente tácita. Não se pode pretender desvelá-la abruptamente, muito menos a priori, quanto mais tacitamente for apreendida, mais facilmente impregnará a rede de significações dos alunos. É preciso contar uma boa história para lograr semear a moral da história. E, decididamente, não funciona dedicar-se apenas à moral, deixando a história em segundo plano, ou dispensando-a como invólucro desnecessário, ou perda de tempo: Como seres humanos, nós não funcionamos assim. Não é possível ensinar-se apenas a moral da história, desprezando-se a história. Um bom professor deverá necessariamente ser um bom contador de histórias: Preparar uma aula é construir uma narrativa pertinente. Em geral, a narrativa funciona como suporte à construção dos significados envolvidos, que constituem a verdadeira moral da história. Há casos, inclusive, em que a história efetivamente ocorrida pode ser muito poluída por elementos fortuitos, por circunstâncias irrelevantes para a questão em foco; ao professor compete, então, depurar a narrativa, construindo uma fábula que sirva a seus propósitos.

Deixo algumas perguntas para refletirmos e também como sugestões aos próximos passos junto à nossa pergunta título:

  1. Em que momento do planejamento escolar essas ações podem ser incorporadas?

  2. Considere a taxonomia de Bloom. Como as ações podem ser utilizadas junto às categorias do domínio cognitivo?

  3. As ações ampliam as possibilidades para que ensino personalizado e por meio das tecnologias da informação e comunicação ocorram. Vamos investigá-las?

1 Fui seu orientando no doutorado, entre 2004 e 2009, período em que convivemos na Faculdade de Educação da USP. No site “http://www.nilsonjosemachado.net/” há informações sobre a extensa produção acadêmica que ele desenvolve.







banner-busca-coach
Curta nossa Fan Page
Revista Coach Me
Pack Autodesenvolvimento
Twittadas Cloud Coaching
banner-busca-coach
banner-cloud-educacao
banner-pinterest
Depoimentos
"Parabéns pelo feito mais que merecido! Vcs têm trazido informações de qualidade, agregando não só a minha vida profissional, mas tb pessoal. Sucesso!!!"
Juliana Garbossa
"Parabéns para a equipe Cloud Coaching ! Acompanho diariamente os posts."
Luciana Furquim
"Parabéns! O conteúdo tem sido bastante interessante!"
Priscila Vidal
"Parabéns pela ideia. Os conteúdos são realmente muito bons. Que seja uma trajetória de ainda mais sucesso."
Rafael van Emelen
"Muito bom! Parabéns equipe Cloud! Já estou com vocês! Abraços!
Ana Cris Tina
"Cloud... Para já conversarmos: amo seus vídeos de motivação, são injeções de ânimo para a Vida. Parabéns pelo magnifico trabalho!!! Vocês são maravilhosos, postagens magníficas, videos, ah! eu acompanho todos. Tenham certeza absoluta que o trabalho, o empenho de vocês, são motivo de vida para muitas pessoas. Continuarei ouvindo todos que chegarem até minha página SIM e não é um elogio apenas, é o meu Aplauso à dedicação de vocês a nos ajudar a superar os embates que a vida nos apresenta. Me faz um bem danado!!! Que Deus os abençõe sempre e tenham um excelente final de semana!!!
Maria Terezinha Barbieri




FAÇA PARTE DA LISTA
CLOUD COACHING DO SUCESSO!


Por que algumas pessoas têm sucesso e outras não?
Algo de diferente elas têm! Será que elas têm simplesmente sorte?
Faça parte da comunidade de pessoas de SUCESSO e descubra!!!
Mais de 100.000 pessoas já se inscreveram e você?
​Vai ficar fora desta?

Inscreva-se agora mesmo e ganhe uma
Revista Coach Me inteiramente grátis!!!


Por favor, aguarde...



Muito obrigado!!!

Sua inscrição foi realizada com sucesso.
Em breve você receberá no e-mail cadastrado
o link para download de sua
Revista Digital Coach Me!

Um abraço da
Equipe Cloud Coaching
Por favor, preencha corretamente os campos!
E-mail inválido!
Ooops aconteceu um erro, tente novamente!
banner-coachme-

Você que segue nossa fanpage no Facebook não pode ficar fora dessa!
Quer se desenvolver pessoal e profissionalmente, sem deixar de lado sua qualidade de vida? Quer dar um gás na sua motivação e produtividade?
Então baixe agora mesmo o seu examplar da Coach Me e mude sua vida!
Basta clicar na imagem acima e você será redirecionado ao IBA, o portal de revistas digitais da Editora Abril.