Você é normal? Coaching para sair da Normose!

Publicado em 18 de agosto de 2015

Além da depressão, ansiedade e tantos outros males da modernidade, acredito que uma patologia marcante que vivemos é a “Normose”. Normose é um termo explorado por Pierre Wiel, Jean-Yves Leloup e Roberto Crema para designar a patologia da normalidade. Segundo Pierre Weil, Normose é o conjunto de hábitos considerados normais e que, na realidade, são patogênicos e nos levam à infelicidade e à doença.

Para Weil, quando todas as pessoas se colocam de acordo a respeito de uma opinião ou uma atitude e maneira de atuar, manifesta-se um consenso, que dita uma norma. Quando uma norma é adotada por muitos, cria-se um hábito. Nesse sentido, há uma crença bastante enraizada segundo a qual tudo o que a maioria das pessoas sente, acredita ou faz deve ser considerado normal. Nesse sentido, toda Normose é uma forma de alienação.

Nessa linha, podemos considerar normal:

  • Acordar cedo e sair correndo para o trabalho;
  • Passar mais de 2 horas ao longo do dia num trânsito infernal, dentro de um carro, ônibus ou trem;
  • Viver de reunião em reunião, mesmo sabendo que muitas delas não precisariam acontecer e um bate-papo rápido por telefone/Skype resolveria;
  • Trabalhar 10,12,14 horas por dia;
  • Acessar e-mails no final de semana e durante o jantar;
  • Programar nossas férias e tempo com a família baseando-nos nas prioridades da agenda da empresa em que trabalhamos;
  • Almoçar uma barra de cereal ou um lanche do Mc Donalds porque uma reunião foi marcada para o horário do almoço. Ou (pior) começou às 9h e ainda não acabou;
  • Comer alimentos transgênicos, legumes com agrotóxicos, etc;.
  • Sentar numa mesa de bar depois de um dia intenso de trabalho e ficar falando sobre trabalho;
  • Passar a maior parte do nosso dia olhando para a tela de um computador;
  • Morar dentro de um apartamento, trabalhar dentro de blocos de concreto e no final de semana ir ao shopping (o grande caixote de concreto);
  • Morar num prédio há anos e nunca ter um diálogo autêntico com algum vizinho;
  • Ir para um bar com vários amigos e ver que quase todos estão organizando outros encontros pelo Whatsapp ou curtindo algo na Facebook;
  • Chegar em casa e ligar a televisão;
  • Falar “Oi, tudo bem?”, mas na verdade não querer saber como a outra pessoa está;
  • Acreditar que trabalhar muito é para a felicidade dos filhos no futuro e esquecer que eles estão em casa te esperando no presente;
  • Achar que o curso de graduação é o que irá definir nosso futuro profissional;
  • Conceituar que trabalho é algo a ser feito dentro de um escritório das 8h às 17h;
  • Acreditar que um bom plano de carreira é o que nos trará felicidade (e esquecer da nossa vocação);
  • Separar vida pessoal e profissional, como se fôssemos um indivíduo fragmentado;
  • Se sentir infeliz no trabalho e continuar nele (isso é o mais normal);
  • Crer que existe um único trabalho e caminho para ser percorrido ao longo da vida e deixarmos de testar nossos diversos “EUs”;
  • Acreditar que é preciso sempre ter foco, só porque na livraria tem uns 10 livros com o título “O poder do foco”;
  • Achar que o formato tradicional de emprego é sinal de estabilidade e segurança;
  • Usar roupas desconfortáveis só porque somos avaliados pela imagem no mundo corporativo;
  • Responder a pergunta “Quem é você?” dizendo o cargo que ocupa;
  • Achar que cesárea é normal (essa a incoerência está até no nome);
  • Deixar um bebê de 4 meses com uma babá ou num berçário. * Esse é um ponto muito especifico do momento que estou vivendo e vale fazer uma ressalva. A grande maioria das mulheres não tem escolha e nem opção! Realmente precisam fazer isso. Admiro a coragem dessas mulheres e imagino o quanto deve ser difícil voltar ao trabalho nessas condições (de verdade). O ponto não é fazer isso. O ponto é fazer isso e achar normal, não se inquietar. Ou como diz Marina Colasanti, a gente se acostuma, mas não devia.

E por aí vai... (convido cada um a continuar essa lista de “normoses”).

Bom, mas o título desse artigo é “Coaching para sair da normose”. Então, vamos ao que interessa. De certa forma, a normose nos ajuda a permanecer em nossa zona de conforto. É muito mais confortável seguir um caminho que todo mundo segue. Certamente, não seremos questionados e isso nos proporciona mais segurança. Todavia, o processo de Coaching busca tirar o individuo da sua zona de conforto em direção à sua zona de tensão. É na zona de tensão que a transformação acontece. É na zona de tensão que saímos um pouco da normose.

Então, quando uma pessoa passa por um processo de Coaching, ela certamente será desafiada a investigar o que é realmente dela (está na sua essência) e o que foi dado pelo outro (aspectos que ela incorporou ao longo da vida pela influência de seus pais, amigos ou porque a maioria das pessoas fazem). O processo estimulará a identificação dos seus valores autênticos e o questionamento dos valores introjetados (desenvolvidos pelos outros).

Nesse contexto, num espaço de liberdade, ela criará sua própria definição de felicidade, sucesso, trabalho e deixará de seguir os padrões ditados pelos outros, pela maioria, pelo que é o normal. Assim, o ponto não é se o trabalho é algo a ser feito das 8h às 18h dentro de um escritório e sim se ela realmente acredita nesse formato, se faz sentido ou se apenas segue esse modelo porque é normal. Se ela realmente acredita nesse modelo, então ela não sofre de normose. Se ela não acredita nesse formato, mas segue-o, há indícios de normose. Sair da normose é permitir que criemos nossos próprios conceitos de trabalho, felicidade e outras dimensões que foram cristalizadas pelo senso comum.

Outro ponto é que o processo de Coaching cria uma atmosfera de liberdade na qual sair da normose é mais fácil. Numa sessão não há espaço para julgamento, para certo ou errado. Num encontro de Coaching existe um diálogo autêntico, sem máscaras, onde a nossa essência pode fluir. É o oposto do que acontece naqueles encontros inundados pela normose. Conversas “normóticas” são aquelas nas quais falamos mais do mesmo, repetimos padrões e muitas vezes deixamos de ser real para não sair da normalidade (ou por preguiça, porque tem gente que dá preguiça).

É tempo de sairmos da normose. Devemos fugir dessa armadilha que nos faz acreditar que normal é o que a maioria das pessoas fazem. Ao invés de fazermos a pergunta: “Esse caminho é normal?”, temos que perguntar: “Esse caminho tem coração?”. Como diz Carlos Castaneda:

Qualquer caminho é apenas um caminho e não constitui insulto algum
- para si mesmo ou para os outros -
abandoná-lo quando assim ordena o SEU coração.

Olhe cada caminho com cuidado e atenção.
Tente-o tantas vezes quantas julgar necessárias.
Então, faça a si mesmo e apenas a si mesmo uma pergunta:
Esse caminho tem coração?

Em caso afirmativo, o caminho é bom. Caso contrário, esse caminho não possui importância alguma.

Roberto Crema afirma que “é tempo de conspirar pela nobreza e inteireza do projeto humano.” Não precisamos ser normais, precisamos ser inteiros. Jung já alertava que ser normal é a meta dos fracassados.

É por isso que quando estou conversando com uma pessoa e ela me diz: “Ai Taynã, você não é normal!”. Fico feliz e respondo: “Graças a Deus! Desse mal eu não sofro mais.” A gente se acostuma a ser normal, mas não deveríamos.

Observação:

Apenas a título de curiosidade, a inspiração para escrever esse artigo surgiu durante um passeio num bosque que fica ao lado de casa (foto acima). Saí de casa por volta das 8h30 da manhã com a minha filha Clara e com minha cachorra Luz. Tinha levantado, feito a minha meditação e estava animada para o passeio da manhã. Quando saí, a rua de casa já estava repleta de carros. Grande parte das pessoas estavam indo para o trabalho. Afinal, é normal todo mundo trabalhar no mesmo horário. Durante o caminho para o bosque, observava dentro dos carros e via algumas pessoas tomando suco, outras no celular, outras se maquiando e outras simplesmente dirigindo. Tinha carros com crianças chorando no banco de trás e a mãe com um certo desespero no banco da frente (sei bem o que é isso!). No geral, os rostos dessas pessoas não transmitiam um ar de leveza. Perto da rua principal o trânsito parou e uma senhora ficou numa faixa destinada a quem vai para a direita. Um homem no carro atrás dela estava nitidamente irritado e deu aquela buzinada.

Continuei meu caminho até o bosque. Quando entrei no bosque uma sensação de leveza e plenitude inundou a minha alma. Andando com minha filha e minha cachorra, me sentia feliz por estar ali e não por estar naqueles carros. E percebi que não sofria de “normose”! Porque há algum tempo fazer isso me deixava com um certo sentimento de culpa. Como podia todo mundo estar a caminho do trabalhado e eu fazendo isso? Seria a ética protestante e o espirito do capitalismo que nos fazem pensar que trabalho árduo é o que realmente significa trabalho? E a sensação que tive a cada passo foi a de estar absolutamente no lugar certo. As escolhas que fiz ao longo dos últimos anos me trouxeram até ali.

Decidi não seguir carreira dentro de uma empresa, abandonei a ilusão de ser uma diretora (e ainda de Marketing!). Nada contra diretores de Marketing, apenas não faz sentido para mim (conheço pessoas queridas e bem realizadas nessa posição). Optei por ser empreendedora. Mas, isso não foi o suficiente, queria de alguma forma ajudar e trabalhar com pessoas, então me dediquei também à atividade de Coach. No caminho descobri a paixão pela vida acadêmica e pelo conhecimento, porém só estudar não fazia sentido. Então, surgiu a oportunidade de dar aulas e palestras. E hoje, com esses múltiplos “EUs” que me fazem inteira, não preciso estar dentro daqueles carros. Tenho autonomia e liberdade para exercer minha vocação no mundo, trabalhar com o que faz sentido, ganhar meu dinheiro, estar presente no desenvolvimento de cada fase da minha filha e passear no bosque pela manhã sem qualquer sentimento de culpa. Isso é normal, não?







banner-busca-coach
Curta nossa Fan Page
Revista Coach Me
Pack Autodesenvolvimento
Twittadas Cloud Coaching
banner-busca-coach
banner-cloud-educacao
banner-pinterest
Depoimentos
"Parabéns pelo feito mais que merecido! Vcs têm trazido informações de qualidade, agregando não só a minha vida profissional, mas tb pessoal. Sucesso!!!"
Juliana Garbossa
"Parabéns para a equipe Cloud Coaching ! Acompanho diariamente os posts."
Luciana Furquim
"Parabéns! O conteúdo tem sido bastante interessante!"
Priscila Vidal
"Parabéns pela ideia. Os conteúdos são realmente muito bons. Que seja uma trajetória de ainda mais sucesso."
Rafael van Emelen
"Muito bom! Parabéns equipe Cloud! Já estou com vocês! Abraços!
Ana Cris Tina
"Cloud... Para já conversarmos: amo seus vídeos de motivação, são injeções de ânimo para a Vida. Parabéns pelo magnifico trabalho!!! Vocês são maravilhosos, postagens magníficas, videos, ah! eu acompanho todos. Tenham certeza absoluta que o trabalho, o empenho de vocês, são motivo de vida para muitas pessoas. Continuarei ouvindo todos que chegarem até minha página SIM e não é um elogio apenas, é o meu Aplauso à dedicação de vocês a nos ajudar a superar os embates que a vida nos apresenta. Me faz um bem danado!!! Que Deus os abençõe sempre e tenham um excelente final de semana!!!
Maria Terezinha Barbieri




FAÇA PARTE DA LISTA
CLOUD COACHING DO SUCESSO!


Por que algumas pessoas têm sucesso e outras não?
Algo de diferente elas têm! Será que elas têm simplesmente sorte?
Faça parte da comunidade de pessoas de SUCESSO e descubra!!!
Mais de 100.000 pessoas já se inscreveram e você?
​Vai ficar fora desta?

Inscreva-se agora mesmo e ganhe uma
Revista Coach Me inteiramente grátis!!!


Por favor, aguarde...



Muito obrigado!!!

Sua inscrição foi realizada com sucesso.
Em breve você receberá no e-mail cadastrado
o link para download de sua
Revista Digital Coach Me!

Um abraço da
Equipe Cloud Coaching
Por favor, preencha corretamente os campos!
E-mail inválido!
Ooops aconteceu um erro, tente novamente!
banner-coachme-

Você que segue nossa fanpage no Facebook não pode ficar fora dessa!
Quer se desenvolver pessoal e profissionalmente, sem deixar de lado sua qualidade de vida? Quer dar um gás na sua motivação e produtividade?
Então baixe agora mesmo o seu examplar da Coach Me e mude sua vida!
Basta clicar na imagem acima e você será redirecionado ao IBA, o portal de revistas digitais da Editora Abril.